Quem sou eu?

Mulher a ver-se ao espelho

Todos nos sentimos, numa altura ou outra das nossas vidas, que andamos sem rumo, vivendo todos os dias iguais, repetindo gestos, palavras e tarefas quase que mecanicamente. Olhamo-nos ao espelho e já não nos reconhecemos. O que aconteceu? Quem sou eu? Em que me transformei? Como é que cheguei a este ponto? Como voltar atrás? Como é que gostaria de ser? Como fazer para se descobrir? Parta numa viagem de auto ou de redescoberta e viva uma vida mais consciente.

Sabe quem é?

Responda às seguintes perguntas… se começarem a surgir muitos “sim” já iniciou a sua (re)descoberta pessoal e talvez esteja na altura de começar a viver mais conscientemente.  

  1. Trabalha numa empresa porque foi a primeira coisa que encontrou mal acabou o curso e não no sítio que realmente adorava?
  2. Faz aquilo que lhe mandam ou que esperam de si e não aquilo que gostava verdadeiramente de fazer?
  3. Preenche os seus dias com trabalho e outros afazeres, em vez de desfrutar deles à sua maneira?
  4. Gostava de poder passar mais tempo com a família e com os amigos?
  5. Está descontente com a sua imagem e/ou forma física?
  6. Sobrevive cada mês sempre à espera do próximo vencimento ou a acumular dívida atrás de dívida, sem perceber para onde vai o dinheiro?
  7. Perde grande parte do seu tempo a fazer coisas pouco importantes, em vez de se concentrar na concretização daquilo que realmente importa?
  8. Passa os seus dias sem pensar naquilo que efectivamente quer da vida e nas formas como pode e deve concretizar os seus sonhos?

Se respondeu “não” a todas as perguntas, parabéns! Sabe perfeitamente quem é, não deixa que ninguém lhe diga o contrário e está a viver e a trabalhar para a vida que sempre sonhou! Provavelmente nem precisa de ler este artigo, mas está convidado a fazê-lo na mesma! Para os restantes (sim, vocês sabem quem são!) está na altura de abrir os olhos, a mente e o espírito, e começar a viver de forma mais consciente.

Como viver uma vida mais consciente

OK, confessamos – este não é um feito que se consegue da noite para o dia! Viver conscientemente é um estilo de vida, uma habilidade, uma arte. Não é algo que se começa a fazer de um momento para o outro, mas sim um hábito que se vai adquirindo e que fica para o resto da vida.

Por outro lado, é extremamente simples: seja consciente e pense sobre tudo aquilo que é e que faz. Esforce-se por fazer escolhas conscientes em vez de recorrer sempre às escolhas automáticas, àquelas que as pessoas esperam de si, que estão mais “à mão” ou que são invariavelmente mais fáceis. Viva a vida que quer e que é um reflexo de si, não se contente com aquela que a sorte (ou o azar!) lhe trouxe. Viver conscientemente é assumir o controlo da sua vida, saber o que quer e o que vai fazer para consegui-lo!

É tão simples quanto isso! Mas, mesmo assim, são tão poucas as pessoas que conseguem, de facto, fazê-lo. E porquê? Porque é muito mais fácil viver a vida em “auto piloto”, continuar a fazer aquilo que sempre fizemos porque é assim que estamos habituados. Mesmo que estejamos a viver momentos problemáticos, continua a ser mais fácil manter as coisas como estão.

E isso leva-nos a outro ponto fulcral: é muito difícil mudar a nossa vida, quebrar com rotinas antigas e enraizadas, mesmo que seja para começar a viver a vida que queremos. Simplesmente porque requer força de vontade, energia e uma vigilância constante sobre as escolhas que fazemos…no entanto, não haverá melhor coisa do mundo do que descobrir quem é e viver um quotidiano à sua maneira.

Descubra o seu verdadeiro “eu”, pode surpreender-se! 

Reflectir sobre a sua vida deve ser uma rotina regular. Pode ter um diário ou um blogue, pode reflectir sobre cada dia antes de se deitar ou então dedicar um momento todas as semanas para rever a sua vida. Como se define enquanto pessoa? Quais são os seus valores e princípios? Vive a sua vida segundo os mesmos? Como é que trata os outros? Como é que se trata a si próprio? Como é que gostaria que os outros o vissem e tratassem? É importante que pense em si, nas coisas que tem feito, nas coisas que quer fazer e no rumo que a sua vida está a levar…regularmente!

Pelo menos uma vez no ano, reveja os seus objectivos pessoais ou estipule novos. O que é que já conseguiu concretizar? O que falta? Como vai fazê-lo? Quem é que o vai ajudar? Como imagina a sua vida daqui a 2, 3 ou 5 anos? Passe tudo para o papel e mantenha-o num local que seja facilmente visível – assim terá uma lembrança constante daquilo que é e daquilo que vai ser. Ajudá-lo-á a reunir as forças necessárias para transformar as palavras em acções.  

Assuma-se tal e qual é. Se o que lhe traz um sorriso aos lábios é a ideia de não ter de voltar a andar vestida conforme as tendências da moda e passar a usar apenas roupas pretas, porque não? Se para si, a maior satisfação seria entregar a sua carta de despedimento no banco onde trabalha há dez anos e montar o seu próprio negócio, está à espera de quê? Você e o seu marido decidiram não ter filhos e preferem viajar pelo mundo inteiro, então façam as malas! É este o caminho da felicidade. Quem faz aquilo que ama, quem vive uma vida desenhada pelo próprio e à sua medida, é quem é mais feliz.  

Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje. Comece a fazer planos para atingir a sua felicidade e a sua vida ideal, dedicando mais tempo às coisas importantes do que às menos importantes. Claro que tem de aspirar a casa, mas entre passar uma tarde de sábado a limpar ou a frequentar um curso de pintura com o qual sonha desde criança, a escolha parece óbvia! Comece já hoje a fazer mudanças na sua vida: podem ser acções que vão contribuir para projectos a curto ou a longo prazo, mas os prazos não são fundamentais. O mais importante é começar, dar início ao seu plano e ousar tornar os seus sonhos realidade. A sua vida está nas suas mãos e se a quer mudar, consegue, basta querer muito. Comece a viver a sua vida hoje.  

Analise as suas relações. As pessoas que amamos e que nos são queridas são, muito provavelmente, a coisa mais importante das nossas vidas. Mesmo assim, todos os seus relacionamentos – sejam amorosos, familiares, profissionais ou de amizade – merecem uma reflexão pontual. Passa tempo suficiente com a sua família? Com a sua esposa ou namorado? Existe equilíbrio no seu casamento ou passam mais tempo de costas voltadas? Abdicou dos amigos quando casou? É carinhoso com as pessoas à sua volta? Reconhece o seu valor e respeita-os? Há alguma coisa que possa fazer para melhorar as suas relações pessoais? Tem de perdoar ou pedir desculpas a alguém? A forma como comunica com as pessoas pode ser melhorada? Se estamos bem connosco próprios estaremos invariavelmente bem com aqueles que nos rodeiam e vice-versa.  

Considere os custos reais da sua vida. Passamos a vida a comprar isto e aquilo porque está em saldos, porque é barato, porque não sei quem também tem um, em suma, a afogar-nos em compras impulsivas e muitas vezes inúteis ou esquecidas em poucos meses… é isso que quer passar a vida a fazer? Suar a camisola para gastar o seu dinheiro em aquisições triviais? Que tal aplicar esse dinheiro em coisas que realmente importam? Que vão fazê-lo saltar e gritar de alegria? As nossas vidas já estão recheadas de coisas – casa, garagem, carro, escritório – coisas que ocupam espaço, que ficam desarrumadas, que causam stress visual e que nos cansam vezes sem conta… para quê “deitar mais lenha para a fogueira”? Faça uma limpeza geral à sua vida e desfaça-se de tudo aquilo que estiver em excesso, que não combine consigo ou com o seu lifestyle – passe para familiares ou amigos, entregue a instituições, deite fora ou recicle.  

Pense no impacto que tem no mundo. Por mais pequeno que seja, todos nós temos um impacto no mundo: de que forma é que aquilo que faz, o que consome e o seu estilo de vida afectam a sua comunidade e o meio ambiente? É essencial ter total consciência da maneira como as suas decisões afectam os outros e o planeta terra.  

Não desista. Não deixe que o cansaço, a rotina, as outras pessoas ou as coisas banais da vida o impeçam de ser o seu verdadeiro eu e de conseguir viver a sua vida conscientemente. Tudo é possível. Não seja daqueles que desiste à primeira dificuldade, afinal precisa apenas de 5 coisas para ser bem-sucedido na sua auto-descoberta: dedicação, perseverança, alguma prudência, concentração e muita astúcia! Dedique-se às suas paixões – velhas ou novas – se não for agora, então quando? Viva cada dia como se fosse o último e sem remorsos.

Avaliação: