Formas simples de meditar diariamente e ter uma vida mais zen

Mulher de mãos juntas na cama

Meditar é um dos hábitos mais simples que pode fazer: pode meditar em qualquer sítio, a qualquer hora e terá sempre benefícios imediatos. Existe a ideia errada de que para meditar terá de o fazer com um guru num centro zen no meio da Índia – não podia estar mais longe da verdade! Meditar pode ser algo tão simples como observar a sua respiração enquanto está no escritório, no duche ou a caminhar. Mesmo que seja uma pessoa muito ocupada, precisa apenas de 2 minutos diários para dedicar à meditação: assim não há desculpas, pois não?

Porquê meditar?

Porquê simplificar a arte de meditar e assim criar um pequeno momento de meditação diária? Existem inúmeros e bons motivos:

  • Reduz o stress e ajuda a relaxar
  • Quando pratica a atenção ou concentração plena, é mais fácil aplicá-la no seu dia-a-dia
  • A concentração plena permite que saboreie verdadeiramente a vida, que mude hábitos, que viva de forma simples e devagar, que possa estar presente em tudo aquilo que faz
  • Já foi provado que a meditação tem vários benefícios mentais, nomeadamente, melhor e maior concentração, felicidade, memória, autocontrole, desempenho académico, profissional…
  • Foi igualmente comprovado que a meditação pode também ter benefícios físicos como a melhoria do metabolismo, ritmo cardíaco, respiração, tensão arterial…

Na realidade, alguns dos benefícios mais espetaculares da meditação são difíceis de definir – quem medita passa a compreender-se melhor, por exemplo, e desenvolve um nível de autoconhecimento que desconhecia até então. De uma forma simples, sentar-se e meditar durante alguns minutos é um oásis de calma e relaxamento que raramente encontramos na vida que vivemos atualmente. E isso em si já é um bom motivo para incorporar a meditação no seu dia-a-dia.

Como meditar todos os dias?

Existem inúmeras formas de meditar, porém, o objetivo aqui não é encontrar a forma de meditação perfeita, mas antes criar um hábito simples e diário em torno do ato de meditar.

Reserve apenas 2 minutos por dia. Se quer estabelecer o hábito da meditação, é importante simplificar. Se quiser, pode meditar durante 5 minutos diariamente, mas na realidade precisa apenas de reservar 2 minutos por dia para a meditação.

Escolha uma hora e um impulso. Não precisa de ser uma hora exata, mas sim um período em geral como de manhã depois de acordar ou durante a hora do almoço. O impulso deve ser algo que faz regularmente e que pode anteceder ou suceder à meditação – tomar café, lavar os dentes, lanchar ou o banho do fim do dia.

Procure um local sossegado. Por vezes, meditar logo de manhã – antes que o resto da casa acorde para o dia – é a melhor opção. Em alternativa, há quem goste de um local num parque, na praia ou outro sítio ao ar livre que seja tranquilizador. No fundo, o local não é o mais importante, o mais importante é que não seja interrompido durante alguns minutos.

Sente-se confortavelmente. Não pense muito na forma como se vai sentar ou o que deve vestir. Concentre-se exclusivamente em sentar-se o mais confortavelmente possível: pode ser sobre uma almofada no chão com as costas encostadas à parede, pode ser de pernas cruzadas no sofá ou num tapete. Se estiver confortável, está bem.

Comece com apenas 2 minutos. Isto é extremamente importante. A maioria das pessoas pensa que consegue meditar entre 15 e 30 minutos e a verdade é que conseguem. Porém, isto não é um teste de resistência e o objetivo é estabelecer um hábito para a vida. E, para ser bem-sucedido, é importante começar com apenas 2 minutos. Para além de ser muito mais fácil para principiantes, é um método praticamente infalível. Pode passar a meditar 5-7 minutos por dia depois de conseguir fazê-lo durante 7 dias seguidos; depois 10 minutos por dia depois de conseguir fazê-lo durante 14 dias seguidos; depois 15 minutos por dia depois de conseguir fazê-lo durante 21 dias seguidos; e 20 minutos se conseguir meditar durante esse tempo todos os dias durante um mês.

Concentre-se na sua respiração. À medida que inspira, siga o percurso da respiração através do nariz, garganta, pulmões e barriga. Sente-se direito, com os olhos abertos e focalizados no chão à sua frente. Se quiser, também pode fechar os olhos, mas mantenha sempre a concentração. À medida que expira, volte a seguir o percurso da respiração. Se ajudar, pode contar um fôlego para dentro, dois fôlegos para fora, três fôlegos para dentro, quatro fôlegos para fora e quando chegar ao décimo, recomece. Se se perder pelo caminho, não há problema, recomece. Se os seus pensamentos começarem a vaguear (e o mais natural é que isso aconteça mesmo!), volte lentamente a concentrar-se na sua respiração. No início, todo este processo – por mais simples que pareça – vai revelar-se um pouco difícil mas, com a prática diária, depressa se vai tornar num gesto natural.

E aí está: uma forma simples de meditar! Faça-o todos os dias, depois do impulso escolhido, durante 2 minutos e, ao fim de um mês, terá implementado um hábito muito zen e saudável na sua vida.

Outras formas de meditar

Estar sentado e a concentrar-se exclusivamente na sua respiração não só pode ser considerado meditar, como é um ato de atenção e concentração plena. É uma excelente forma de se treinar a focalizar toda a sua atenção numa só coisa ou gesto ou momento. Depois de ter aperfeiçoado este simples ato de meditação, experimente outras formas de praticar a atenção e a concentração plena:

  • Quando estiver stressado, pare um minuto, concentre-se na sua respiração durante esses 60 segundos e deixe que a sua mente volte ao momento presente.
  • Dê uma caminhada e, em vez de pensar em tudo aquilo que tem de fazer mais logo, focalize-se na sua respiração, nos sentidos do corpo, naquilo que o rodeia.
  • Quando estiver a comer, coma apenas. Concentre-se nos alimentos, naquilo que está a sentir ao comer e nos sabores e sensações que essa refeição lhe estiver a proporcionar.
  • Concentre-se no ritual que é preparar a sua chávena diária de chá ou café, nos seus sabores e aromas, nas sensações que estes provocam, na sua própria respiração ao longo de todo o ritual.
  • Independentemente daquilo que estiver a fazer – lavar loiça, estender roupa, varrer a cozinha – faça-o de forma presente e consciente.
  • Estas são apenas algumas dicas. Existem muitas formas de praticar a atenção e a concentração plena, incluindo quando está a trabalhar, a fazer exercício físico ou em convívio… vá experimentando…
Avaliação: