Está a desfrutar da sua vida ao máximo?

Rapariga deitada no campo

Ano novo. Vida nova. É esta a altura escolhida por muitas pessoas para fazer grandes mudanças nas suas vidas, quebrar velhos hábitos, iniciar novos costumes, mais saudáveis, mais aprazerados, que tenham mais a ver connosco e com o lifestyle que desejamos. Os planos são óptimos fios condutores, mas o futuro deve ser construído dia-a-dia. Cada segundo deve ser aproveitado, cada dia deve ser vivido em cheio. Está a desfrutar da sua vida ao máximo? Descubra as suas respostas através das 6 questões seguintes e… carpe diem.

  1. Quem é que eu amo e o que estou a fazer em relação a isso? Só quando alguém adoece gravemente ou pior, morre, é que nos apercebemos que não temos a mínima ideia do tempo que nos resta junto das pessoas que mais amamos. As pessoas que nos rodeiam, tal como nós, podem desaparecer de um dia para o outro – por isso mesmo, é importante aproveitar todo o tempo que passa com elas. Ah, não passa tempo com essas pessoas? Então, está na hora de mudar isso! Se está zangado com o primo Filipe, está na altura de esquecer as zangas e fazer as pazes. Sabe que a tia Leonor está chateada consigo por não ter ido ao jantar de fim de ano na sua casa, ligue-lhe e peça desculpa por ter avisado tão em cima da hora. Já não vê os seus pais há semanas? Convide-os para almoçar e passar o domingo consigo. Ponha o orgulho e a preguiça de lado e desfrute das suas relações pessoais.
  2. Estou a concretizar os meus sonhos ou o medo está a paralisar-me? Qual é a coisa que sempre quis fazer na vida? Pode ser um sonho de criança, entretanto abandonado por parecer irrealista. Pode ser algo que deseja realmente fazer, mas tem medo de fracassar. Quais são os medos que o estão a travar? Pense bem: qual é a pior coisa que pode acontecer se conseguir ultrapassar esses medos e correr atrás dos seus sonhos? Se é daqueles sortudos que já está a concretizar os seus desejos, parabéns! Se não, está à espera de quê?
  3. Estou a fazer alguma coisa que interessa? Há uma grande diferença entre fazer um trabalho e fazer um trabalho que realmente interessa. Infelizmente, utilizamos grande parte dos poucos dias que temos nesta vida a trabalhar arduamente, a “dar no duro” com coisas que, no fundo, não têm grande interesse, nem vão fazer uma grande diferença a quem quer que seja… estamos a perder momentos preciosos das nossas vidas com essas tarefas inúteis. Aqui, a questão fundamental é: “isto vai interessar daqui a 5 anos?”. Esta pergunta vai ajudá-lo a distinguir entre as coisas triviais que lhe ocupam muito tempo sem grande retorno e aquelas tarefas, projectos e objectivos de alto impacto que, daqui a alguns anos, vão mudar, de forma positiva, a sua vida, a sua carreira, e quem sabe, a vida de outros. Saiba distinguir.
  4. O que estou a fazer para ajudar os outros? Curiosamente, tiramos o máximo partido da vida não ao conseguirmos tudo aquilo que ansiamos, mas sim ao ajudar os outros. O que tem feito ultimamente em prol dos outros? Tem sido simpático com as pessoas do prédio? Tem sido sensível com a família? Tem estado presente com os colegas de trabalho? Tem apoiado os amigos nos momentos em que mais precisam de si? Tem sido um bom ouvido? E voluntariado? Quando é que foi a última vez que deu alguma coisa de si em prol do próximo? Se as respostas foram maioritariamente não, está na altura de parar e pensar naquilo que pode fazer por alguém e, claro, pôr esse plano em acção! Esta é uma pergunta que deve fazer a si próprio regularmente… não tarda nada e a bondade passa a ser um hábito, uma parte de si. 
  5. Sou a pessoa que realmente quero ser? Esta também deve ser uma pergunta frequente. Da próxima vez que for impaciente, egoísta ou pouco simpático com alguém, reflicta bem nas suas palavras e acções, procurando saber o que poderia ter feito melhor. Em vez de se chatear consigo próprio, canalize essas energias e esforce-se por ser uma pessoa melhor, para superar as trivialidades da vida de forma positiva. Não é fácil ser uma pessoa boa, pelo menos 24 horas por dia, todos os dias. Bem vistas as coisas, é mais fácil ser egoísta. Mas é assim que quer ser recordado? É assim que quer viver a vida? Reflicta sobre o assunto e faça o que tiver de fazer para ser uma pessoa melhor.
  6. O que estou a fazer para viver a vida de forma apaixonada, saudável e com energia? Pode estar a fazer tudo certo e, mesmo assim, viver uma vida entediante e preguiçosa. Por exemplo, se não estiver saudável, terá pouca energia e gastará o seu (pouco) tempo em torno da doença. Um estilo de vida saudável, com uma boa alimentação e um plano de exercício físico contínuo, nunca foi tão importante. Ao seguir esta simples receita, terá mais energia. Energia que pode canalizar para aqueles projectos que o apaixonam. Ainda não encontrou a(s) paixão(ões) da sua vida? Agora terá a energia necessária para as encontrar e concretizar!
Avaliação: